Bus 142 -

UM PAPO SÉRIO SOBRE PAPO FURADO

10 APPS PRA QUEM AMA VIAJAR

PARQUE DE EL RETIRO EM MADRID

EU E A CRIA

(Português do Brasil) Maternidade, a viagem mais maluca de todas

Quando eu criei o Bus 142 o que eu queria era compartilhar minhas experiências de viagem. E o que eu queria da vida era mesmo viajar. Tudo isso me serviu bem, obrigada por bastante tempo, mesmo que eu sempre tenha tido uma relação difícil com a criação de conteúdo: o que as pessoas querem ver? Mas quem são as tais pessoas? Será que isso que eu to escrevendo é relevante? Afinal, o que é relevante? Questões.

E no meio de todas essas reflexões, textos, rascunhos infinitos, viagens que saíram do papel mas nunca vieram pro blog e viagens que só ficaram na minha cabeça mesmo, a vida aconteceu, assim como John Lennon já tinha dito que seria. Nesse caso, a vida aconteceu literalmente falando, e no meio de um período de furacão na minha vida, fui mãe.

Sabe o que acontece quando você vira mãe? Primeiro que o cabelo cai. Depois que você não tem mais tempo pra nada. E quando surge uma fraçãozinha de tempo, você está emocionalmente desgastada e simplesmente quer olhar pro teto e cantar uma música que não seja Mundo Bita, só que é impossível.

Conforme as coisas foram se organizando, a vontade de voltar a me expressar pelo blog foram aumentando outra vez. Pra ser sincera, esse texto já passou por uns 3 rascunhos completamente diferentes, e se não postar ele dessa vez provavelmente haja uma quarta, quinta, décima vez. Então sinto que chegou a hora de dizer: voltei!

Quero contar uma história aqui. Quando você descobre que vai ser mãe e que tem um serumaninho dentro da sua barriga (PENSA NISSO SÓ UM MINUTINHO SÓ) vem uma enxurrada de pensamentos, emoções e medos. E no meio de tudo isso que sem exagero nenhum chamo de tsunami de emoções, consegui identificar um pensamento em destaque: será que eu nunca mais vou viajar?

Acho que nunca mais eu vou viajar – ou fazer qualquer outra coisa – como eu fazia antes. Pensando só em mim, planejando com calma, tendo meu tempo com pouquíssimos imprevistos. Mas em compensação agora tem um carinha muito da hora e curioso sempre do meu lado, e dá pra eu sair mostrando esse mundão pra ele! E eu não tenho nem meme pra explicar como isso é maravilhoso e me faz feliz.

Hoje, se eu pudesse, voltaria em 2017, abraçaria a Mari grávida e dramática daquela época e diria: Claro que você vai viajar de novo! Tudo a seu tempo. Mas na moral faz uma drenagem que seu pé pode dobrar de tamanho de tão inchado e você não quer descobrir como isso dói.

DESTINATIONS USA

4 mitos sobre Miami

IMG_2620

Em Setembro de 2015, meio que de repente, surgiu a oportunidade de viajar por uma semana com a minha mãe.
O tempo era curto então preferi uma opção mais perto do Brasil, pra não perder tanto tempo no aéreo.

Eu sou da teoria de que viajar é sempre bom.
Então mesmo com a agenda apertada e o budget limitado, comecei a explorar as possibilidades.

Acabei encontrando um vôo direto para Miami em conta.
Diferença entre Miami e Miami Beach

1. Miami só para fazer compras.

De jeito nenhum! Tem uma cacetada de coisas legais para fazer em Miami.
Compras é uma delas – mas o foco da viagem não precisa ser esse.
A cidade está cheia de praias lindas. Ótimos restaurantes. Parques. Museus. Bares. Galerias de arte. Shows. Jogos. Viajando algumas horas de carro ou ônibus você pode fazer um tour por um pântano, conhecer as Florida Keys, nadar com golfinhos ou mergulhar.
Fica tranquilo, opção é o que não falta.

IMG_2719

Jogo de Baseball, que aliás, foi sensacional!

2. Impossível visitar Miami sem alugar carro.

É nada! Claro que o carro com certeza facilita a vida.
Mas você vai ficar bem com os transportes alternativos. Por lá andei de shuttle, trem, ônibus e táxi.
Sucesso!

3. Prepare-se para falar só em espanhol.

Say what?
Ouvi isso mais de uma vez. E estava preparada pra usar meu melhor portunhol, mas nenhuma vez fui abordada em espanhol.
Notei que muitos atendentes de lojas ou restaurantes, por exemplo, falavam entre si em espanhol, mas atendiam em inglês.

4. Não tem comida de verdade.

O que é “comida de verdade”?
Bom, de qualquer forma, certeza que em Miami você acha isso.
Tem uma infinidade de ótimos restaurantes. E tem fast food também. A escolha é sua.
Existe um preconceito quando o assunto é a cozinha americana. Se por um lado existem mais de 12.000 Starbucks no país, foi lá também que nasceu a rede de supermercado Whole Foods, com opções saudáveis e orgânicas. Algumas unidades também têm restaurante, com uma comida delicinha!

IMG_3054

Parece de verdade, certo?

5.

-foi uma boa viagem…

DESTINATIONS

TAG: Wanderlust

Being a 90’s kid, I can say something that was a big hit back in the day were quiz notebooks that went around the school. I loved it! We’ve lost this tradition along the way, but lucky us we now have blogs and still can discover that kind of thing about people.
Continue Reading

DESTINATIONS France Lists

7 fun things to do in rainy Paris

I never had this big dream of visiting Paris. I don’t mean to say I didn’t want to go there – seriously, where do I not want to go to? – but all the glamour around the city never really hit me. But while I was planning my Eurotrip 2016 I decided it was time to finally go to the French capital, partly because my mom, who was my partner during this part of the trip, had been there and really loved it, and also because well, you know? It’s right over there, tickets are cheap, so let’s just go grab some croissant!

Continue Reading

Brazil Soundtrack

Playlist #02 | É do Brasil!

If you plan on moving abroad, be prepared to answer lots of questions about your home country. When I lived in the USA, for example, people would ask me all the time what was the traditional Brazilian food and how big the Amazon is. I was asked these so many times that I almost believed those were the standard questions for Brazilians.
Continue Reading

DESTINATIONS Brazil Trip Tips Lists

10 places that prove there is love in São Paulo

I believe São Paulo is filled with contrasts and my relationship with the city has always been divided between love and hate. It’s not easy to be paulistano and face hours of chaotic traffic, absurd climatic variations and the urban chaos on a daily basis. But as soon as I move away from the city I desperately miss the accent we insist doesn’t exist, the street food, all the 24/7 options, the neighborhood’s identities, the fast pace, urban art, foggy weather, skyscrapers, metros and of course, all my friends who stayed there.

Continue Reading